Minha revolução/ Mi revolución

 

“Hoje, a luta que enfrento é me aceitar
Hoje, o veneno encontrou seu remédio
Hoje, eu peço perdão se eu machuquei meu coração
Hoje, não quero o que me faz mal
O escuro do jogo

(…)”

“(…) Esa es mi revolución
Llenar de amor mi sangre
y si reviento
Que se esparza en el viento
El amor que llevo adentro

(…)”

 

Que eu lute essa luta — e ganhe sempre.

 

The score of the end

 

“(…) Now I have come to understand the way it is… (…)”

Wrong…

“(…) and now that I’m a little older…. this is what I meant to say… Babe, I… already miss you…”

Wrong….?

“(…) Hang in there baby, sooner or later… I know I’ll get it right (…)”

Wrong!

“(…) Não é mais dia 36
Tudo começa outra vez
Esquece e não pensa mais…”

Or so I hope.

“(…) I have a headache in my chest, from all the chaos that you left… (…)”

Right…

“(…) Take my tears and that’s not nearly all!… Tainted love… (…)”

Right!…

“(…) ‘Cause we both know I’ll never be your lover
I only bring the heat
Company under cover…
Filling space in your sheets (…)”

Painfully right, from the first time I’ve heard.

“(…) I’m so sorry for that ghost I made you be
Only one of us was real
And that was me
(…)
And I wish there was a treaty we could sign
I do not care who takes this bloody hill
I’m angry and I’m tired all the time
I wish there was a treaty, I wish there was a treaty
Between your love and mine”

Wrong!… and right.

“(…) Beneath the stains of time
The feelings disappear
You are someone else
I am still right here
What have I become
My sweetest friend
Everyone I know goes away
In the end
And you could have it all
My empire of dirt
I will let you down
I will make you hurt

If I could start again
A million miles away
I would keep myself
I would find a way…”

That’s unfortunately right.

But/And so I will.

 

Dia 36

 

Um grito ele amou
Lençóis e colchas vão se encontrar
Não é mais dia 26 (…)”

 

Hoje eu já chorei. Mas preciso chorar muito mais — até que, quem sabe, passe esse desejo de não mais viver.

Escutando uma música muito bonita e triste, que me acompanha desde a adolescência, não consegui segurar minhas lágrimas; pensei em todas as coisas que me oprimem — inclusive e principalmente as saudades.

Saudades do meu pai (e dos tempos em que nossa relação era melhor — e existente), de momentos de mais carinho, de épocas nas quais ainda não havia ouvido tantas palavras duras e nem havia apanhado tanto de pessoas próximas, de quando eu era uma criança de 5 anos, tagarela e feliz, de ser mais ingênua, de abraços e colos, de sentir que meus esforços valeriam a pena, de sentir e saber que ainda tenho apoio e alguém que quer e vai tentar me entender, dos meus 17, quando eu ainda tinha esperanças mais descomplicadas de achar meu rumo na vida (ainda que eu já soubesse que havia algo de errado), de ter mais tempo e sanidade, de me sentir menos cansada e com menos dor, de não me sentir preterida, inferior e indigna, de ter planos mais concretos, de saber lidar de forma mais leve com as minhas responsabilidades, de momentos do passado e de acreditar que há um futuro, … de amar de modo sincero e sem travas e de me sentir amada.

Saudades do amor.

Hoje eu já não quero mais pensar. Hoje já não é mais dia 26 — e nunca mais será.

28/05: Nesta tarde me abri com uma amiga. Contei pra ela coisas que penso há tempos, em relação a como me sinto, e que nunca havia contado pra ninguém. Ela me perguntou se eu pretendia fazer alguma coisa “reckless, let’s put it this way”, e eu lhe disse que não, que ela podia relaxar.

Mas, na verdade, na verdade, eu só acho que não. Quer dizer… o que é de fato ‘reckless’?

Alive

 

December 28th, 2016; around 7pm

 

Why didn’t I post this last year?!

Maybe I was not ready. Or I didn’t feel enough…

As a matter of fact I still don’t.

But it’s been THREE years now… Who knew?!

A LOT separates me from December 28th of 2015. Even more of 2013…

But, yeah, well… I’m alive.

 

 

December 28th, 2015; around 10:30pm

 

Wordpress

 

It’s been two years… Congratulations to me?

 

 

“I was born in a thunderstorm
I grew up overnight
I played alone
I’m playing on my own
I survived

Hey
I wanted everything I never had
Like the love that comes with light
I wore envy and I hated that
But I survived

I had a one-way ticket to a place where all the demons go
Where the wind don’t change
And nothing in the ground can ever grow
No hope, just lies
And you’re taught to cry in your pillow
But I’ll survive

I’m still breathing [4x]
I’m alive [4x]

I found solace in the strangest place
Way in the back of my mind
I saw my life in a stranger’s face
And it was mine

(…)
I had made every single mistake
That you could ever possibly make
I took and I took and I took what you gave
But you never noticed that I was in pain
I knew what I wanted; I went in and got it
Did all the things that you said that I wouldn’t
I told you that I would never be forgotten
And all in spite of you

And I’m still breathing
I’m still breathing
I’m still breathing
I’m still breathing
I’m alive (…)”

Sem nome, mas com endereço

Uma semana atrás tive a oportunidade de presenciar uma das coisas mais lindas dessa minha encarnação — e eu não estou exagerando, nem mentindo (quem sabe sobre a parte de acreditar em encarnações).

Fui em um show e lavei a alma. Dancei, curti de até fechar os olhos e me perder nas melodias e nas letras, dei um presente pros meus olhos (as luzes, a cortina subindo no momento certo, a interação no palco…), gritei, cantei junto, ri, … e chorei também.

Exatamente nessa música, diga-se de passagem.

Fui sentindo aquele aperto típico, mas pensei que logo fosse passar.

Quem disse…

A música seguiu, e eu me deixei levar com ela. Deixei também que ela levasse de mim todas as lágrimas que quisesse, pois nem elas poderiam pagar o que valeu aquele momento.

Nunca dá exatamente certo, mas eu sigo tentando: